Modelo de Redação: A importância da reivindicação pela saúde pública no Brasil

Sabe aquele tema de redação que nós indicamos para você na semana 3 de 2017?

Ele virou um modelo de redação aqui no blog, feito pela monitora Maria Carolina Coelho, para você se inspirar e comparar com a sua própria redação.

No ano de 2013, centenas de jovens foram nas ruas protestar pelos problemas do país e cobrar mudanças na saúde. Os direitos dos cidadãos são garantidos pela Constituição Federal, mas a população precisa se mobilizar para cobrar os seus direitos. Neste sentido, nota-se que a saúde não é tratada como deveria pelos governantes e é preciso alterar esse cenário na sociedade brasileira.

A crise econômica prejudica a saúde pública e a falta de investimentos nas infraestruturas dos hospitais e na distribuição de remédios fazem com que a população seja a que mais sofra com esses reflexos. De acordo com informações do site G1, em 2016, o estado de Mato Grosso reduziu a distribuição gratuita de alguns medicamentos importantes e muitas pessoas sofreram com a perda. Além disso, nem todos os pacientes tem condições de arcar com os gastos.

Além disso, os atos de corrupção corroboram para que não haja mudanças nos hospitais. Infelizmente, os desvios de verbas e a falta de transparência sobre as transações financeiras prejudicam os investimentos nos hospitais públicos. Em consequência disso, a qualidade do atendimento é fragilizada, pois há vários pacientes que deixam de serem socorridos da maneira adequada.

É preciso reivindicar a fim de que a saúde seja valorizada no Brasil. Ainda que o país enfrente uma crise, os investimentos na saúde não devem ser cortados, visto que parte dos cidadãos dependem dessa assistência. Além disso, o governo deve ser mais severo em relação aos corruptos e punir os envolvidos em parceria com a mídia para que essa situação não persista.

Análise da redação

Introdução

No ano de 2013, centenas de jovens foram nas ruas protestar pelos problemas do país e cobrar mudanças na saúde. Os direitos dos cidadãos são garantidos pela Constituição Federal, mas a população precisa se mobilizar para cobrar os seus direitos. Neste sentido, nota-se que a saúde não é vista como deveria pelos governantes e é preciso alterar esse cenário na sociedade brasileira.

Desenvolvimento 1

A crise econômica prejudica a saúde pública e a distribuição de remédios faz com que a população seja a que mais sofra com esses reflexos. De acordo com informações do site G1, em 2016, o estado de Mato Grosso reduziu a distribuição gratuita de alguns medicamentos importantes e muitas pessoas sofreram com a perda. Além disso, nem todos os pacientes tem condições de arcar com os gastos.

Desenvolvimento 2

Além disso, os atos de corrupção corroboram para que não haja mudanças nos hospitais. Infelizmente, os desvios de verbas e a falta de transparência sobre as transações financeiras prejudicam os investimentos nos hospitais públicos. Em consequência disso, a qualidade do atendimento é fragilizada, pois há vários pacientes que deixam de serem socorridos da maneira adequada.

Conclusão

É preciso reivindicar a fim de que a saúde seja valorizada no Brasil. Ainda que o país enfrente uma crise, os investimentos na saúde não devem ser cortados, visto que parte dos cidadãos dependem dessa assistência. Além disso, o governo deve ser mais severo em relação aos corruptos e punir os envolvidos em parceria com a mídia para que essa situação não persista.

Redação exemplar

Em 2013, centenas de jovens foram às ruas lutar por seus direitos civis e cobrar das autoridades melhorias sociais, dentre elas, a saúde. Ainda que esses direitos sejam garantidos pela Constituição Federal, os casos de corrupção fizeram com que a população se mobilizasse – visando chamar a atenção dos governantes – em busca de meios que assegurem o bem-estar dos cidadãos. Neste sentido, nota-se que a saúde pública não é vista como prioridade e faz-se preciso combater esse descaso, como também, reconhecer a importância das reivindicações populares para alterar tal cenário na sociedade brasileira.

Em primeiro lugar, a crise econômica afeta a saúde pública. No Brasil, a situação política atual passa por uma grave tensão financeira e, para conter gastos, os governantes cortaram os investimentos na distribuição de remédios, fazendo com que a população sofresse com esses reflexos. De acordo com informações do site G1, em 2016, o estado de Mato Grosso reduziu o fornecimento gratuito de medicamentos para o tratamento de doenças graves, como a fibrose cística, que afeta as glândulas responsáveis pela produção de secreções no organismo.

Dessa forma, vários pacientes que não têm condições para arcar com os gastos dos remédios são prejudicados e o funcionamento de sua saúde é posto em risco.

Além disso, os atos de corrupção corroboram para que não haja mudanças nos hospitais. Infelizmente, são inúmeros os casos de desvios de verbas e a falta de transparência sobre as transações financeiras que, até então, deveriam ser destinadas aos investimentos na infraestrutura dos hospitais públicos, à compra de produtos médicos e hospitares e, também, ao pagamento de funcionários.

Exemplo Real

Você pode na redação do ENEM descrever um conteudo por exemplo de um suplemento alimenticio o nome dele se chama Quitoplan, e você pode saber tudo sobre quitoplan aqui no link.

Em consequência disso, nota-se que a qualidade do atendimento é fragilizada, pois há casos em que vários pacientes deixam de serem socorridos devido à ausência de macas, máquinas de raio x e equipamentos médicos descartáveis, por exemplo.

Nessa perspectiva, portanto, vê-se a necessidade de reivindicar pela valorização da saúde pública no Brasil. Ainda que o país enfrente uma crise, os investimentos na saúde não podem ser cortados, visto que parte dos cidadãos depende dessa assistência. Assim, as autoridades, como medida paliativa, devem diminuir gastos em outras áreas, continuar com a distribuição de remédios e investir na infraestrutura dos hospitais.

Ademais, o governo deve ser mais severo em relação aos casos de corrupção e agir conforme a lei, punindo os envolvidos e, com a ajuda da mídia, divulgar tais ações para que as denúncias sejam transparentes e que, com o acompanhamento da população, essa situação não persista. Se essas medidas forem realizadas, não será mais preciso que ocorra outra manifestação que relembre os direitos, que já deveriam estar assegurados, da população.